sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

A Raça do Alentejano


 

A raça do alentejano?


É, assim, a modos que atravessado.
Nem é bem branco, nem preto, nem castanho, nem amarelo, nem vermelho....
E também não é bem judeu, nem bem cigano.
Como é que hei-de explicar?
É uma mistura disto tudo com uma pinga de azeite e uma côdea de pão.

- Dos amarelos, herdámos a filosofia oriental, a paciência de chinês e aquela paz  interior do tipo "não há nada que me chateie";

- dos pretos, o gosto pela savana, por não fazer nada e pelos prazeres da vida;

- dos judeus, o humor cáustico e refinado e as anedotas curtas e autobiográficas;
- dos árabes, a pele curtida pelo sol do deserto e esse jeito especial de nos escarrancharmos nos camelos;

- dos ciganos, a esperteza de enganar os outros, convencendo-os de que são eles que nos estão a enganar a nós; 

- dos brancos, o olhar intelectual de carneiro mal morto;

- e dos vermelhos, essa grande maluqueira de sermos todos iguais.

O alentejano, como se vê, mais do que uma raça pura, é uma raça apurada.

Ou melhor, uma caldeirada feita com os melhores ingredientes de cada uma das raças. Não é fácil fazer um alentejano.
Por isso, há tão poucos.

É certo que os judeus são o povo eleito de Deus.

Mas os alentejanos têm uma enorme vantagem sobre os judeus:
nunca foram eleitos por ninguém, o que é o melhor certificado da sua qualidade.

Conhecem, por acaso, alguém que preste que já tenha sido eleito para
alguma coisa?

Até o próprio Milton Friedman reconhece isso quando afirma que
«as qualidades necessárias para ser eleito são quase sempre o contrário das que se exigem para bem governar».

E já imaginaram o que seria o mundo governado por um alentejano?
Era um descanso.

 

 

 

 

 

 

domingo, 7 de fevereiro de 2010